Onde fica custodiado o dinheiro do investidor em uma corretora?
Educação Financeira

Onde fica custodiado o dinheiro do investidor em uma corretora?

Muita gente acha que, quando há a negociação de títulos e valores mobiliários, o dinheiro do investidor fica na corretora. Mas, na prática, a situação não é bem assim. A compra e a venda de ativos financeiros fazem parte de processos que envolvem a participação de várias instituições, tudo com o objetivo de tornar as negociações mais seguras. Quer saber como os ativos trocam de mãos no mercado financeiro? Então fique de olho no nosso post de hoje!

Que caminhos o dinheiro do investidor faz?

Ao abrir uma  conta em uma corretora de títulos e valores mobiliários como a ATIVA Investimentos, a pessoa já pode transferir quaisquer quantias para essa conta e, posteriormente, realizar negociações no mercado de capitais. Depois de adquirir ações, por exemplo, há um prazo de quatro dias úteis (D + 3) para o investidor receber os ativos — nesse caso, D + 0 é o dia da operação de compra ou venda. A propósito, como atualmente as ações são ativos eletrônicos e não mais papéis físicos, como antigamente, sua transferência se dá por meio de processos informatizados.

Ao se cadastrar em uma corretora, o investidor também terá uma conta aberta na Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), instituição responsável, no Brasil, por guardar os ativos de renda variável e por receber o dinheiro do investidor, entregando a ele os papéis. Assim, quando o investidor vê no site da corretora (agente de custódia) a posição consolidada de ativos que possui, deve saber que, na verdade, aqueles ativos estão guardados na CBLC.

 

Onde fica o patrimônio do investidor?

Algumas pessoas acreditam que ao comprar ações ou títulos, esses ficam guardados na corretora. Na verdade, elas ficam nas câmaras de custódia ou clearing houses. Elas são câmaras de compensação, de liquidação e de custódia que prestam serviços para garantir que os ativos adquiridos sejam entregues aos compradores e que os recursos financeiros das negociações cheguem aos vendedores. Logo, o dinheiro do investidor, sob a forma de ativos, na verdade está nessas casas e não nas corretoras. 

Enquanto as negociações de ações são registradas na CBLC, vinculada à BM&FBovespa, as compras e as vendas de títulos públicos federais são operadas no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic). Já grande parte dos títulos privados de renda fixa é registrada na Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (Cetip) — caso dos Certificados de Depósito Bancário (CDBs), das Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e das Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs), por exemplo.

Qual o risco para o investidor?

Como na história do país já houve casos de corretoras fechadas, alguns investidores ainda têm receio de perder o dinheiro aplicado. Mas devemos ressaltar que as corretoras são fiscalizadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e pelo Banco Central do Brasil (BCB), além de os ativos custodiados nas câmaras de compensação e de liquidação estarem no nome do investidor. Logo, não há risco de perda. Quando uma corretora fecha, portanto, o investidor deve pedir a essas instituições que os ativos sejam transferidos para a responsabilidade de outro agente de custódia.

Um eventual risco de perda do dinheiro do investidor diz respeito à quantia deixada sem movimentação na conta do cliente, na corretora. Por esse motivo, é importante checar o histórico do agente de custódia antes de utilizá-lo para intermediar quaisquer negociações. A ATIVA Investimentos, por exemplo, possui mais de 30 anos de atuação no mercado financeiro, o que, por si só, já transmite segurança e confiabilidade a seus clientes.

Ainda tem alguma dúvida sobre como é feita a custódia dos ativos financeiros? Deixe aqui seu comentário ou já aproveite para entrar em contato com a nossa equipe de atendimento!

 
Share on Facebook160Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn35
Você deve gostar também
5 tipos de investimento em renda fixa e seus prós e contras
Como começar a investir em fundos imobiliários em 3 passos
Onde investir no 2º semestre de 2017?
2 Comentários
  • Ricardo Greco
    2016-09-22T12:59:31+00:000000003130201609 em 12:59
    Responder

    Prezados, boa tarde !

    Ao comprar um título do Tesouro Direto, o prazo de liquidação é após as 17:00hs do D+2, porém, toda vez que eu compro na corretora do próprio banco, o título fica no status de “em liquidação” durante quatro dias.

    Qual seria o motivo ?

    Obrigado e abraço a todos !

    • 2016-09-30T12:20:11+00:000000001130201609 em 12:20
      Responder

      olá Ricardo,
      Tudo bem?
      Segue a explicação para a sua dúvida.

      Qual é o fluxo compra?
      D+0 – Abertura do mercado;
      D+1 – Fechamento do mercado às 5h00; disponibilização do MFTD (MTA) às 5h25; e confirmação das compras via MLTD (MTA) ou boleto Jumbo (Sistema do Tesouro Direto) até as 18h00;
      D+2 – Envio LDL0007 às 10h45 (mensagem de cobrança do valor confirmado em D+1); disponibilização desse valor no Banco Liquidante até às 11h45; e liquidação do mercado às 17h00, quando o título passa para posição do investidor e passa a constar no MDTD.

      Qualquer dúvida estamos a disposição 😉
      Abs

Deixe seu comentário

Seu comentário*

Seu nome*
Sua página da Web

%d blogueiros gostam disto: