• Pesquisar
Man wearing sunglasses, relaxing on vacation, working on computer, view of Sugarloaf Mountain in background

Mercado de Derivativos: tire todas as suas dúvidas!

O mercado de valores é um mar de oportunidades para investidores de todos os tipos. São tantas alternativas de investimento e especulação que algumas pessoas decidem se especializar em uma área para assegurar maiores vantagens. Uma dessas áreas (ou, por que não, conjunto de áreas) é o Mercado de Derivativos.

Embora se trate de um mercado menos popular, isso não significa que seja mais complexo. No entanto, é importante compreender que suas funções sempre dependem de outros elementos. Uma vez que esteja claro esse detalhe, fica fácil entender para que servem os Derivativos e quais são seus benefícios.

Neste artigo, você vai descobrir o que é o Mercado de Derivativos, como funciona e que vantagens ele oferece. Além disso, vai conferir alguns exemplos desses instrumentos financeiros e conhecer estratégias que podem ser utilizadas em suas operações. Boa leitura!

O que são Derivativos?

Como o termo sugere, derivativos designam a negociação de ativos derivados de outras mercadorias. Em outras palavras, nesse mercado, o que se negocia não é uma mercadoria em si, mas acordos sobre algo relevante do sistema econômico. Esse objeto-base pode ser um produto ou até mesmo uma referência econômica.

Ou seja, ao adquirir um produto do Mercado de Derivativos, contrai-se um compromisso ou o direito de comprar, vender ou trocar uma mercadoria. Assim, a razão de ser desse mercado é complementar o Mercado à Vista com novas possibilidades de negociação.

Como funciona o Mercado de Derivativos?

Em suma, esses instrumentos têm base na especulação de valores de determinado ativo do Mercado à Vista ou de ferramentas do sistema econômico. Assim, duas partes fazem um acordo sobre certo ativo, criando condições de liquidação desse contrato. A referência sobre a qual se fazem os contratos pode ser:

  • as ações de uma empresa;
  • uma commodity (petróleo, café, soja etc.);
  • índices da Bolsa de Valores;
  • taxas de câmbio (dólar, euro, criptomoedas);
  • taxas de juros do país.

Desse modo, investidores podem criar sistemas de proteção de posições no Mercado à Vista ou especular sobre os próprios contratos. Isso é possível, em alguns ativos derivados, porque os contratos passam a ter valor próprio dentro do período de validade.

Contudo, é importante ter em vista que o preço dos ativos derivados estão sempre atrelados aos ativos-base. Naturalmente, isso faz os valores no Mercado de Derivativos oscilarem muito mais que no Mercado à Vista. Afinal, de certa maneira, temos o que poderíamos chamar de especulações sobre especulações.

Quais são os tipos de Derivativos?

São muitos os ativos negociados no Mercado de Valores. Portanto, a variedade de ativos derivados não poderia ser diferente. Podemos dizer que o Mercado de Derivativos é uma categoria que abrange outros mercados. Assim, cada um é relativo a uma condição específica sobre o Mercado à Vista. A seguir, confira os 4 principais Mercados de Derivativos.

Mercado a Termo

Nesse mercado, comprador e vendedor se comprometem a realizar uma negociação com valor e prazo determinados em contrato. De todos, é o derivativo mais simples, já que sua flexibilidade garante exata previsibilidade do resultado da negociação.

Mercado Futuro

Similar ao Mercado a Termo, o Mercado Futuro também se trata de um acordo a ser celebrado futuramente, segundo condições do contrato. A diferença está no fato de que as partes não estão vinculadas ao compromisso, e podem negociar seus contratos livremente. Isso garante maior liquidez ao Mercado Futuro, sendo muito atrativo a especuladores.

Além disso, os valores desses Derivativos são corrigidos diariamente em função das expectativas do preço da mercadoria-base. Isso significa que há uma transferência de valores entre compradores e vendedores, na medida em que os preços são corrigidos.

Opções

O Mercado de Opções oferece instrumentos interessantes porque fornece maior variedade de possibilidades estratégicas.

Opção de Venda

Também conhecida como put, uma Opção de Venda garante ao tomador a alternativa de vender determinado ativo pelo preço estabelecido no contrato. Quem vender a opção de venda, terá que comprar o ativo independente se o ativo estiver mais barato no mercado.

Opção de Compra

Os calls, como também são conhecidas as Opções de Compra, têm a mesma mecânica das Opções de Venda. A diferença, naturalmente, está no direito que se concede ao tomador de comprar o ativo-base a determinado preço.

Swaps

Swaps tratam da negociação do fluxo de rentabilidade de certa mercadoria. Portanto, com esse derivativo, negocia-se a troca dos índices de correção de valores.

Por exemplo, uma empresa que exporta produtos talvez prefira ter as dívidas corrigidas pelo preço do dólar em vez da Taxa de Juros.

Por outro lado, uma empresa nacional com custos dolarizados talvez deseje equilibrar sua receita com a Taxa de Juros. Dessa forma, essas empresas podem contrair o compromisso de trocarem esses índices de correção no prazo do acordo. Porém, assim como no Mercado a Termo, esse compromisso não é transferível.

Por que usar Derivativos?

Ao entender o propósito do Mercado de Valores como um todo, é possível intuir a função do Mercado de Derivativos. Isso porque, ao investidor (como agente econômico), fica claro que produtores buscam proteção, e isso cria oportunidades aos especuladores.

Portanto, podemos perceber a manifestação dos dois principais aspectos dos derivativos. É possível entrar nesse mercado tanto para assegurar os valores de uma mercadoria quanto para explorar as chances de maiores lucros.

Hedge

A principal estratégia do Mercado de Derivativos está em assegurar o valor de uma mercadoria em questão. Essa estratégia é conhecida como hedge. Dessa forma, o investidor pode criar mecanismos de proteção para suas posições no Mercado à Vista. Assim, garante uma segurança ainda maior que a diversificação.

Por exemplo, um investidor que tenha uma posição em Ações da Petrobras poderia adquirir uma Opção de Venda a determinado valor. Caso suas Ações viessem a se desvalorizar no período da Opção, o investidor poderia exercer seu direito de venda. Assim, obrigaria a sua contraparte a comprá-las por um preço superior ao seu valor de mercado.

Alavancagem

Estratégia mais comum entre pessoas de perfil agressivo, os Derivativos oferecem a oportunidade de potencializar os lucros do Mercado à Vista. Assim, uma pessoa pode adquirir Opções de Compra de determinada Ação na expectativa de os preços se valorizarem.

Caso esteja certa em seu palpite, essa pessoa pode exercer seu direito de compra. Ou seja, pode pagar pelas Ações um preço inferior ao seu valor de mercado. Isso multiplica as possibilidades de lucro da especulação no Mercado à Vista. Afinal, paga-se, a princípio, não pelo ativo, mas pelo acordo de negociação.

Como você pôde notar neste artigo, o Mercado de Derivativos não é nada complicado, uma vez esclarecidos seus fundamentos. Além disso, você sempre pode contar com o apoio da Ativa Investimentos para explorar essas e outras oportunidades do mercado e investir com segurança.

Que tal agora investigar em mais detalhes como funciona o Mercado de Opções e aproveitar suas vantagens? Acesse agora mesmo nosso artigo sobre o assunto!

Deixe seu comentário