• Pesquisar

Análise Técnica: entenda os principais conceitos

O mercado de valores já foi privilégio de alguns poucos poderosos. Mas com a chegada da internet e a evolução da tecnologia, hoje qualquer um pode se profissionalizar nessa atividade. Um dos métodos de atuação mais utilizados pelos profissionais é a Análise Técnica.

Essa ferramenta também devemos à tecnologia. Se não fossem os computadores encurtando as distâncias e acelerando processos, nada seria como é hoje. Não teríamos, por exemplo, como assistir a movimentos na Bolsa com apenas milissegundos de atraso.

Mas a tecnologia que permitiu esse método de análise evoluiu, e você vai descobrir mais detalhes neste artigo. Além disso, você também vai aprender o que é Análise Técnica, como ela funciona e para que serve. Confira!

O que é Análise Técnica?

Análise Técnica é um método de interpretação do mercado com o objetivo de encontrar oportunidades de compra e venda. Com a Análise Técnica, o profissional pode avaliar as probabilidades de lucro com base em:

  • tendência dos preços;
  • volumes de negociação;
  • taxas de variação e medidas de tempo;
  • estatísticas e médias complementares etc.

É importante dizer que seus cálculos não preveem o futuro, mas dão uma ideia do que pode acontecer segundo estatísticas e probabilidades. No entanto, na medida em que o profissional aprende com as análises, suas margens de acerto crescem consideravelmente.

Teoria de Dow

Charles Dow foi um jornalista e investidor americano que viveu até 1902. Foi ele quem criou o índice Dow Jones, que calcula o valor médio das cotações das 30 maiores empresas americanas.

Como se não bastasse oferecer um dos indicadores mais importantes do mercado global, Dow foi além. Observando atentamente o movimento dos preços, ele fez uma série de descobertas lógicas que hoje dão base para Análise Técnica. Por isso, é impossível tratar de Análise Técnica de maneira apropriada sem citar Charles Dow. Mas o que ele descobriu?

Diante de um gráfico de cotações, Dow percebeu que os preços tinham um padrão muito frequente, como ondas. Relacionando, então, indicadores e mais indicadores, ele foi capaz de formular 6 argumentos que hoje são os fundamentos da Análise Técnica.

O preço desconta tudo

Talvez esse seja o argumento mais importante. O que ele quer dizer é que o preço já carrega todas as suas justificativas. Isso faz com que noticiários, rumores e previsões, por exemplo, sejam desnecessários para análises. Afinal, os únicos acontecimentos que não seriam descontados seriam catástrofes naturais como terremotos, tsunamis, etc.

Caso contrário, sem uma fonte privilegiada, estamos à mercê dos movimentos, pois o sistema absorve qualquer informação muito depressa. Portanto, não importa por que o preço subiu ou desceu. Só importa o fato de que ele oscila. Se oscilou por causa de uma pandemia, um escândalo político ou queda dos juros, isso não deve fazer diferença.

O mercado tem 3 movimentos

Dow também propôs, de maneira específica, a dinâmica do mercado. Segundo ele, o mercado tem 3 movimentos de tendência. Esses movimentos são interdependentes e se encontram uns dentro dos outros. São eles:

  • Tendência primária —principal movimento de tendência. Reflete o rumo do mercado como um todo. Pode durar anos e até décadas.
  • Tendência secundária — frequentes variações dentro de um movimento primário. À medida que o mercado avança, também faz recuos mais curtos, como se tomasse fôlego para continuar avançando. Tendências secundárias podem durar semanas ou meses.
  • Tendência terciária — uma reprodução idêntica à dos movimentos de uma tendência secundária, mas numa escala ainda menor. Tendências terciárias acontecem dentro de tendências secundárias e podem ser tão curtas quanto algumas horas.

A tendência primária tem 3 fases

Desses 3 movimentos do mercado, a tendência primária reflete um ciclo econômico para Dow. Esse mesmo ciclo veio depois a ser estudado e dividido segundo a teoria das ondas proposta por Elliott. Essa grande tendência é um ciclo econômico com 3 fases:

  • Acumulação — em um primeiro momento, investidores experientes percebem o início de um novo ciclo econômico e começam uma acumulação do mercado.
  • Euforia — conforme o mercado ganha vigor, notícias de um aquecimento econômico saem na imprensa. Isso atrai novos investidores, o que acelera ainda mais a alta dos preços.
  • Distribuição — quando o ciclo acaba, os investidores que começaram acumulando identificam o fim da tendência e fecham suas posições. Isso provoca pânico e uma queda do mercado, dando início a um novo ciclo.

Os índices e as médias devem se confirmar

Dow também notou que, quando o mercado dá sinais de tendência em um setor, setores relativos também devem dar o mesmo sinal. Por isso, as médias de preços de empresas de um mesmo ramo devem apontar para a mesma direção no caso de uma tendência.

Volume confirma tendência

Outra observação lógica de Dow é que, em uma tendência, o volume de negociações deve ser maior. Afinal, isso reflete as disposições do mercado. Se os preços estiverem subindo e o volume de negociações cai, é sinal de que o mercado não aceita a alta.

Uma tendência continua até que se prove o contrário

Finalmente, o último argumento é o que efetivamente demonstra a utilidade da Análise Técnica. Dow propõe que, se há indícios de uma tendência, então, há uma tendência. Assim, ele continua indefinidamente, até que surjam indícios de uma tendência contrária. É só por isso que o método é útil: ele afirma que o passado se repete.

Para que serve a Análise Técnica?

Como você pode imaginar, esses fundamentos oferecem um mar de possibilidades para quem entra no mercado de valores. Afinal, o gráfico garante uma perspectiva que permite estratégias únicas. Entre outras coisas, a Análise Técnica vai ajudar você a:

  • montar uma estratégia de entrada e saída;
  • otimizar seu gerenciamento de risco;
  • entender o humor do mercado;
  • estudar carteiras recomendadas

Como analisar os padrões gráficos?

Existem várias formas de realizar uma Análise Técnica. Podemos destacar duas, por princípio. Uma é pura interpretação dos preços e outra é a interpretação de indicadores. De todo modo, existem algumas bases comuns em qualquer análise, por exemplo:

  • relatividade do preço entre oferta e demanda;
  • indicadores de tendências;
  • repetição de padrões estatísticos;
  • volume de negociações etc.

Indicadores e médias móveis

As médias móveis e outros indicadores são valores dados por fórmulas que o computador calcula e apresenta no gráfico. Muitos profissionais se utilizam desses dados para montar suas estratégias de compra e venda. Alguns dos indicadores mais conhecidos e disponíveis nos gráficos do home broker de qualquer corretora são:

  • médias móveis e médias móveis ponderadas;
  • índice de força relativa (IFR ou RSI em inglês);
  • bandas de Bollinger;
  • estocástico;
  • MACD.

Price action

O price action é a análise pura do preço. Tudo o que o profissional precisa é do gráfico de velas (os candlesticks) para estudar o comportamento do mercado. A partir das informações que se podem extrair de uma única barra, o trader é capaz de montar uma estratégia. Os candlesticks são extremamente úteis nessa análise porque com eles temos:

  • os preços máximos e mínimos no período;
  • o preço de abertura;
  • o preço de fechamento.

Agora que você já conhece as bases dessa metodologia de interpretação do mercado, é possível ainda combinar a análise técnica com outros métodos analíticos. Tudo depende da sua estratégia e do seu perfil de investimento.

Mas uma coisa que você não pode esquecer ao utilizar o método da Análise Técnica são as estratégias específicas de gerenciamento de risco. Quer saber mais? Então, acesse nosso artigo e aprenda sobre stop gain e stop loss.

Deixe seu comentário

Instagram has returned invalid data.