Fundos de investimento: entenda o que é o come-cotas
Educação Financeira

Fundos de investimento: entenda o que é o come-cotas

Todos os bancos e instituições financeiras oferecem aos seus clientes os chamados fundos de investimentos: aplicações que podem proporcionar às pessoas excelentes rendimentos. Esses fundos, assim como grande parte das aplicações financeiras, estão sujeitos à cobrança de impostos sobre a rentabilidade, Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e imposto de renda (IR) — e é daí que surge o come-cotas.

Geralmente, os fundos são tributados no seu resgate, ou seja, quando o investidor solicita a retirada do valor aplicado. Dessa forma, todos os impostos são calculados sobre o rendimento da aplicação, sendo então cobrados do investidor.

Existe, porém, uma forma diferenciada de tributação dos fundos de investimento: o come-cotas. Se você não entende como ele funciona, não se preocupe! Vamos apresentar, a seguir, tudo o que você precisa saber. Confira!

 

Assista também ao vídeo do #RebecaExplica, com explicação de Fundos e Come Cotas!

 

O que é o come-cotas?

Antes de começar a explicar o come-cotas, vamos explicar como funciona a tributação comum de fundos:

– Fundos de curto prazo

  • Aplicações entre 180 dias: 22,5%
  • Aplicações acima de 180 dias: 20%

– Fundos de longo prazo

  • Aplicações até 180 dias: 22,5%;
  • Aplicações entre 181 e 360 dias: 20,0%;
  • Aplicações entre 361 e 720 dias: 17,5%;
  • Aplicações acima de 720 dias: 15%.

Já o come-cotas é uma forma de tributação que se difere da comum. Ao invés do IR ser cobrado do investidor no ato do resgate, a aplicação é tarifada em cotas semestrais, no último dia dos meses de maio e novembro.

É importante deixar claro que o come-cotas não apresenta nenhum risco ao investidor: é apenas a tributação obrigatória, sendo realizada semestralmente — e não no vencimento do fundo ou no resgate.

 

Quais fundos de investimento estão sujeitos ao come-cotas?

Os fundos de investimentos sujeitos ao come-cotas são aqueles que tem tributação de curto ou longo prazo, sendo eles:

  • os fundos de renda fixa;
  • os fundos cambiais;
  • os fundos multimercados.

Como funciona o come-cotas?

Todos os meses de maio e novembro a Receita Federal pega parte do rendimento do fundo de investimentos, cobrando, do investidor, o Imposto de Renda sobre os juros recebidos.

Sendo assim, a cada seis meses, a Receita Federal faz a cobrança de 15% do rendimento dos fundos de longo prazo e 20% dos fundos de curto prazo.

Como pode ser visto, para que o investidor pague menos impostos, o ideal é fazer investimentos longos. Por isso, pode-se dizer que os fundos são excelentes aplicações para aposentadoria ou para acúmulo de patrimônio.

Porém, é importante deixar claro que eles também devem ser considerados para o curto prazo. Existem fundos que pagam excelentes juros, fazendo com que, mesmo com a tributação dos impostos, seus rendimentos sejam superiores a outras aplicações financeiras.

 

Aprendeu como o come-cotas impacta nos fundos de investimentos? Deixe a sua opinião nos comentários!

Você deve gostar também
5 dicas para estabelecer e alcançar metas pessoais em 2017
5 dicas para investir com pouco dinheiro nos fundos de investimento
Planejamento financeiro pessoal: 5 dicas para se dar bem em 2017

Deixe seu comentário

Seu comentário*

Seu nome*
Sua página da Web

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.