Confira o que é benchmark e como é usado no mercado financeiro

Você começou a investir recentemente, mas não tem tido resultados consistentes? Gostaria de entender como ler o seu desempenho do jeito certo para poder melhorá-lo? Então precisa aprender o que é benchmark e como usá-lo.

Benchmarks são usados frequentemente no mercado financeiro, seja na Renda Fixa, seja na Renda Variável. De certa forma, eles são responsáveis por aumentar o desempenho de fundos ou estratégias. Afinal, ter um instrumento de navegação facilita a encontrar o caminho.

Ainda está confuso? Tudo bem, é normal. Siga a leitura do artigo para entender o que é benchmark e como isso pode ajudar nos seus investimentos!

O que é benchmark?

Um benchmark é um padrão de referência. Ele serve, portanto, para oferecer contexto para que alguma análise seja feita da melhor maneira possível. Afinal, em alguns casos, só dá para avaliar um certo resultado comparando-o com outros.

Por exemplo, suponha que uma determinada estratégia de investimentos no mercado de ações rendeu 15%. Isso é bom ou ruim? Foi uma estratégia positiva ou negativa? Você pode escolher qualquer resposta, mas a verdade é que não sabemos. Afinal, não temos um parâmetro de comparação.

Se esses 15% foram obtidos em todo 2019, quando o Ibovespa rendeu 31,58%, então os resultados poderiam ser melhores. Afinal, a medida de referência da Bolsa rendeu o dobro. No entanto, se os mesmos 15% fossem obtidos em março de 2020, quando o Ibovespa caiu 30%, então os resultados foram ótimos. 

Como deu para ver, a análise sobre o desempenho dessa estratégia só pôde ser feita quando comparada com um benchmark. Essa ferramenta pode, portanto, ajudar o investidor a obter resultados melhores. Afinal, se ele tem a capacidade de comparar com elementos do mercado, pode realizar alterações para adequar seu desempenho.

Como é usado no mercado financeiro?

Saber o que é um benchmark é só o começo para um investidor. É necessário também entender como ele é usado no mercado financeiro. Afinal, uma ferramenta é tão eficaz quanto quem a utiliza.

A principal utilização de benchmarks no mercado é para avaliar o desempenho de uma ação, uma Renda Fixa ou estratégia. Assim, o investidor tem mais contexto para decidir qual ativo comprar, em qual Fundo investir e como aplicar seu dinheiro.

Tanto é assim que Fundos de Investimento sempre determinam um benchmark para guiar sua estratégia. Portanto, quando um investidor lê a lâmina do Fundo, poderá constatar qual é a meta que o gestor tenta bater. Aliás, muitos Fundos têm uma taxa de performance que remunera o gestor caso ele ultrapasse o benchmark estabelecido.

Outra utilização do benchmark é explicar melhor ao investidor a relação risco/recompensa de uma estratégia ou ativo. Isso acontece porque é possível comparar essa estratégia com a “média do mercado”, de certa forma.

Por exemplo, a taxa Selic é a taxa básica de juros da economia nacional. Portanto, ela é o mínimo que uma aplicação de Renda Fixa pode gerar anualmente. Isso significa que ela é o rendimento mais próximo do risco 0. É claro que não existe investimento sem risco, mas o Tesouro Selic é bancado pelo Tesouro Nacional. Portanto, é a aplicação mais próxima disso.

Assim, a taxa Selic é um benchmark ótimo para medir a relação risco/recompensa de ativos ou estratégias. Afinal, um ativo precisa superar a Selic para se tornar atraente, já que ele é naturalmente mais arriscado.

Quais os principais benchmarks do mercado?

Neste artigo, já demos exemplos com alguns famosos benchmarks do mercado financeiro. No entanto, vale a pena lembrar que existem muito mais do que os já citados. 

O Ibovespa, por exemplo, é um benchmark muito conhecido. Afinal, ele é divulgado diariamente nos principais telejornais brasileiros, devido à sua importância. De certa forma, ele funciona como uma temperatura do mercado financeiro.

A Taxa Selic e o CDI, que a acompanha, são dois benchmarks muito usados também. Afinal, eles costumam indicar a base de comparação do mercado, como já explicado.

Outro benchmark muito popular é a Inflação. Isso porque ela indica a desvalorização da moeda durante um determinado período. Assim, um investimento que não vence a inflação é, essencialmente, uma aplicação com perda de valor real. Por isso que a Poupança é descrita tão negativamente por quem trabalha no mercado financeiro. Afinal, ela frequentemente perde para o IPCA. Nós ainda podemos citar:

  • taxa de câmbio;
  • S&P 500 (para quem investe no mercado americano);
  • Nikkei 225 (para quem investe no Japão);
  • Índice Brasil;
  • IFIX (Índice de Fundos de Investimento Imobiliários);
  • Índice de Sustentabilidade Empresarial;
  • Índices setoriais da Bolsa (focados só no segmento de varejo, energia, construção civil etc.).

Quais são utilizados para Renda Fixa e Renda Variável?

Agora que você já sabe o que é benchmark e quais os mais usados, é hora de aprender que nem toda medida de referência é adequada para ser usada a qualquer momento. Afinal, você não avalia um peixe pela sua capacidade de subir em árvores, certo?

Para os investimentos de Renda Fixa, que têm características específicas, o ideal é usar benchmarks que reflitam isso. Já para as aplicações de Renda Variável, o padrão de referência é outro. Veja a seguir os principais benchmarks para cada tipo de aplicação!

Renda Fixa

Investimentos de Renda Fixa, como o Tesouro Direto, CDBs, LCIs e LCAs, usam benchmarks de indexadores econômicos. Os mais populares, portanto, são o CDI e o IPCA.

O CDI é o mais usado. Ele reflete a taxa básica de juros da economia e o seu rendimento “padrão”. Assim, qualquer investimento de Renda Fixa que não vença o CDI é considerado ruim. Isso vale também para Fundos de Investimento majoritariamente formados por ativos de Renda Fixa.

O IPCA também é muito usado, porque ajuda a determinar se a inflação corroeu o poder de compra daquele investimento. Não é à toa, portanto, que todas as aplicações pós-fixadas são remuneradas com base no CDI ou no IPCA.

Renda Variável

Em relação à Renda Variável, o benchmark mais usado no Brasil é o Ibovespa. Afinal, ele reproduz uma carteira teórica com as principais ações da Bolsa nacional. Dessa forma, o índice é visto como uma “temperatura” do mercado. Se uma estratégia ou fundo vence o Ibovespa, significa que “venceu” o mercado.

No entanto, existem índices específicos para certas estratégias. O já mencionado Índice de Sustentabilidade Empresarial acompanha um determinado recorte do mercado. Por exemplo, se o objetivo de uma carteira for investir só em empresas sustentáveis, o ISE é o benchmark mais indicado.

Agora que você já sabe o que é benchmark e aprendeu quais são os mais importantes, pode incrementar sua estratégia. Lembre-se de sempre escolher a referência que mais faça sentido e ajustar sua carteira com base nos resultados obtidos.

Se você quer começar a ganhar mais agora mesmo, pode usar a técnica do benchmark para escolher os melhores Fundos de Ações do mercado. Leia nosso artigo especial sobre o tema e conheça mais sobre esse tipo de investimento!

Powered by Rock Convert

Invista com a gente!

É prático, rápido, seguro e não tem custo. Você pode acessar sua conta de onde quiser e ainda ter vantagens exclusivas.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.