Mesmo após queda, ações da Petrobras ainda são boas opções para portfólio de longo prazo

Mesmo após registrar queda de 28,30% no dia 09 de março, as ações da Petrobras continuam interessantes para a composição de um portfólio de longo prazo. Acreditamos que a nova gestão da empresa é assertiva e que, no longo prazo, a estatal conseguirá atingir suas metas, apesar da volatilidade no curto prazo.

O fato é que ainda não sabemos qual a real dimensão do choque atual. A Rússia afirmou que consegue conviver por seis anos com o preço do Brent por volta de US$ 30. Porém, ainda é cedo para tomar as decisões recentes como concretas.

Para começar, dois fatores atrapalha a companhia, especialmente no plano operacional:

  • o movimento de queda na demanda por petróleo devido ao coronavírus;
  • o aumento da produção (oferta) por parte da Arábia Saudita.

No 4T19, a estatal avançou na exploração e produção de óleo e gás natural, com um Brent médio de US$ 63,25. A forte queda no preço do barril, caso seja prolongada, pode forçar a Petrobras a acelerar a produção. Porém, um aumento na produção elevaria os custos de exploração e produção. Além disso, isso iria contra a otimização do portfólio proferida atualmente.

A Petrobras firmou, no guindance 20-24, que o foco continua sendo a otimização da companhia e a venda de ativos, seguindo a linha de desinvestimentos. Tal linha de pensamento fez a estatal diminuir seu lifting cost trimestral, e essa estratégia não pode ser abandonada por conta de uma situação cuja potência ainda não está clara.

No entanto, um impacto pode ser sentido no futuro. A Petrobras mudou sua política de dividendos em agosto para conseguir, a partir do segundo semestre de 2021, retomar o pagamento de dividendos de forma mais agressiva. É possível que, caso os preços do Brent continuem baixos, tal condição de efetuar esses pagamentos seja adiada.

É preciso ter cautela

Ainda é muito cedo para se posicionar de maneira definitiva. O melhor é esperar os ânimos se acalmarem.

A Petrobras evoluiu bastante em gestão de crises e vem adotando postura parecida com as duas últimas ocasiões envolvendo o preço do barril:

  • o ataque de drones a Saudi Aramco, em setembro do ano passado;
  • e o aumento do tom de beligerância entre Irã e Estados Unidos, em janeiro deste ano.

Em ambas as situações, a estatal esperou para seguir um tracejado mais definido. Por isso, ao que tudo indica, tal estratégia será seguida agora também.

Entenda o que aconteceu

O mercado financeiro teve um dia bastante agitado devido a uma disputa entre Rússia e Arábia Saudita. Isso sinalizou um aumento na produção de petróleo para elevar sua participação no mercado. Para isso, os sauditas anunciaram cortes de até 20% no preço do petróleo bruto, o que agitou o mercado financeiro. A Bolsa registrou queda de 10%, e as ações da Petrobras despencaram e fecharam em queda de 28,30%.

Para conter os ânimos dos investidores, foi acionado o mecanismo circuit breaker, que é quando as operações de compra e venda de ações na Bolsa de Valores são interrompidas.

(Time de Research da Ativa Investimentos)

Para impulsionar os seus investimentos, assine nossa newsletter para mais conteúdos exclusivos

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.