B3 Social: tudo o que você precisa saber sobre a iniciativa

Quando o assunto é a bolsa de valores, logo nos lembramos das possibilidades de aplicações financeiras que ela oferece, como ações, fundos imobiliários, moedas estrangeiras e ETFs. No Brasil, apesar dos rumores de uma nova bolsa, a principal delas é a B3, instituição que surgiu após a fusão entre a BM&FBovespa e a Cetip, no ano de 2017.

Ela não é, no entanto, apenas sinônimo de uma das maiores infraestruturas de tecnologia para o mercado financeiro em todo o mundo. Por meio da B3 Social, a maior bolsa de valores brasileira demonstra que também se preocupa com questões que vão bem além, impactando na sociedade como um todo — mas, especialmente, as pessoas mais carentes.

Neste post, vamos falar sobre os principais aspectos da nossa bolsa, com destaque para a atuação da B3 Social e os benefícios que a iniciativa representa. Acompanhe!

Um pouco da história da B3

Como já adiantamos, a B3 como conhecemos hoje é resultado da fusão de duas empresas que eram sempre muito comentadas nas notícias financeiras. Uma delas era a Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBOVESPA) e a outra era a Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (CETIP).

Desde 2017, ela opera com a negociação, processamento, liquidação e custódia de ativos de renda fixa e variável. A empresa tem sede em São Paulo, mas todas as operações acontecem de forma digital. Ou seja, hoje em dia os pregões não lembrar mais aqueles ambientes barulhentos e conturbados de bolsas de valores que costumávamos ver.

Vale destacar ainda que a B3 opera sob a supervisão da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que a instituição que regulamenta e fiscaliza as atividades no mercado de valores no Brasil. Além disso, ela conta com práticas de governança corporativa alinhadas com as principais organizações ao redor do mundo, o que garante a transparência e a segurança dos participantes da bolsa.

O nome da instituição remete a três termos iniciados pela letra B que são bastante representativos de sua atuação: Brasil, Bolsa e Balcão. Apesar disso, o principal índice de referência do mercado de ações brasileiro, o IBOVESPA, permanece com seu nome que faz referência à empresa que deu origem à B3.

A importância da B3 para a sociedade

Uma bolsa de valores forte e sólida é considerado um aspecto muito positivo para o ambiente econômico de um país. Entre outras contribuições, ela pode ajudar a garantir mais liquidez ao mercado, representando mais segurança aos interessados na compra e venda de ativos.

O desenvolvimento de empresas também é fomentado quando existe um ambiente seguro de negociações. Nessas casos, as companhias passam a ver na bolsa de valores uma excelente oportunidade para financiar seus projetos negociando suas próprias ações. Quanto mais empresas participando da B3, mais forte ela se torna e maiores podem ser os retornos dos acionistas.

No final das contas, tudo isso promove um cenário favorável ao desenvolvimento da economia de forma geral. Assim, mais empresas surgem e se multiplicam, garantindo empregos e impulsionando a formação de mão-de-obra capacitada.

Isso significa que, em um verdadeiro efeito cascata, a própria solidez da bolsa de valores é capaz de resultar em ganhos sociais. No entanto, a B3 vai além em seus esforços para impactar de forma positiva na sociedade com a B3 social.

A missão da B3 Social

Fundada em 2007, a B3 Social é uma associação sem fins lucrativos voltada a ações nas áreas de educação e assistência social. Na prática, ela é qualificada como uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), e conta com um estatuto próprio para orientar sua atuação.

Sua missão é contribuir na promoção do desenvolvimento nacional por meio de iniciativas de educação, assistência social, cultura, esporte e responsabilidade socioambiental. Por isso, ela se encarrega de integrar e coordenar os projetos de investimento social privado da B3, sobretudo voltadas à formação de jovens para o mercado de trabalho.

O foco da atuação da B3 Social está no fortalecimento de organizações da sociedade civil, buscando estimular uma melhoria estrutural na educação pública brasileira. A partir de ações assistenciais e emergenciais, especialmente voltadas às populações mais vulneráveis, a instituição busca contribuir para a redução das desigualdades sociais em nosso país.

Uma de suas ações é a Associação Profissionalizante, atende jovens e adolescentes em situação de vulnerabilidade social na periferia da capital de São Paulo e em municípios vizinhos. Por lá, são oferecidos cursos voltados à capacitação para empregabilidade em áreas como administração, construção civil, manutenção e beleza. Os jovens atendidos pelo programa ainda recebem atendimento psicológico individual e familiar, bolsa-auxílio, material escolar e cestas básicas.

No ano de 2020, a B3 Social realizou a campanha #UmSoTime, que teve o objetivo de apoiar instituições sociais em todo o país no combate à pandemia de covid-19. São diversas ações que reforçam o papel social da B3 e o seu compromisso com o desenvolvimento da sociedade brasileira como um todo.

Investindo na B3

As ações sociais realizadas pela B3 Social demonstram que a nossa bolsa de valores é uma instituição sólida, transparente e confiável. Por isso, ela atrai cada dia mais investidores e empresas buscando abrir seu capital em busca das excelentes oportunidades que surgem por lá.

Se você também está pensando em começar a investir na B3, a dica é considerar alguns aspectos importantes, como a escolha de uma boa corretora de valores. Ela será a responsável por intermediar as negociações de ativos na bolsa e até mesmo recomendar aplicações para o seu perfil, como FIIs e carteiras ESG. Por isso, essa é uma decisão que deve ser tomada com bastante atenção.

As taxas e os impostos envolvidos na operação também devem ser analisadas. Em geral, o investidor precisa lidar com os seguintes custos:

  • taxa de administração: que é cobrada anualmente de forma proporcional ao montante e período de investimento;
  • taxa de custódia: cobrada mensalmente pelo armazenamento de títulos e ações;
  • taxa de corretagem: remuneração das corretoras pelas operações de compra e venda de ativos;
  • taxa de performance: que incide quando determinado fundo de investimento supera a rentabilidade esperada;
  • taxa de emolumentos: cobrada pela bolsa de valores nas operações de compra e venda de ativos.

Viu como a bolsa de valores é uma instituição importante tanto para quem se envolve no mercado financeiro quanto para o desenvolvimento da nossa própria sociedade. Por meio da B3 Social, ela busca ser um verdadeiro agente de desenvolvimento do capital social brasileiro.

Se você gostou deste conteúdo, que tal mostrar para os seus amigos sobre a B3 Social? Faça isso compartilhando este post em suas redes sociais!

Tudo sobre Renda FixaPowered by Rock Convert

Invista com a gente!

É prático, rápido, seguro e não tem custo. Você pode acessar sua conta de onde quiser e ainda ter vantagens exclusivas.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.