O que é viés de ancoragem e como se proteger dele?

As finanças comportamentais são fundamentais para que os investidores tomem melhores decisões e tenham sucesso no mercado financeiroViés de ancoragem é um tema que faz parte desse assunto, podendo se tornar um comportamento que arruinará seu planejamento.

Pela importância de ficar atento a fatores psicológicos, todo bom investidor deve entender esse conceito. Também é importante saber seus impactos e os efeitos desse fenômeno. 

Separamos alguns tópicos importantes sobre o assunto e vamos trabalhá-los nesse artigo. Ao final da leitura, você saberá como se proteger do viés de ancoragem.

O que é viés de ancoragem?

Esse é um viés comportamental, um conceito que representa a tendência de conduta de pessoas. 

A partir de informações e experiência passadas, os indivíduos tomam decisões enviesadas. Isso é bastante comum no mercado financeiro, por isso é fundamental que investidores busquem corretoras que ofereçam suporte de analistas preparados.

viés ou efeito de ancoragem ocorre quando o investidor tem dados ou experiências preliminares que afetam suas decisões. Se a pessoa não tivesse essa informação prévia em mãos, suas operações poderiam ter sido diferentes.

Por exemplo, imagine que um investidor se depare com duas ações, uma custando R$ 15,00 e outra R$ 50,00. A primeira parecerá mais atrativa que a segunda, mas a melhor escolha dependerá de um amplo rol de análises.

Outro exemplo é quando a pessoa está esperando um retorno positivo em longo prazo, porém o mercado cai no trimestre. Como sua expectativa era de um determinado percentual positivo, suas decisões poderão ser prejudiciais.

Como o viés de ancoragem afeta os investimentos?

No que diz respeito aos investimentos, o viés de ancoragem aumenta as chances de que você seja induzido ao erro. Na prática, o investidor faz comparações superficiais, com pouco ou nenhum embasamento.
 
 
Assim, ele acaba adquirindo ou vendendo ativos que não contribuirão para alcançar seu objetivo. Isso afeta movimentações de curto, médio e longo prazo, podendo obstruir todas as suas metas. 

É importante dizer, que além disso, um viés que afeta decisões no curto prazo pode gerar efeitos negativos no futuro de seus investimentos.

Suponha que um investidor seja influenciado por informações rasas e desenvolva um viés de que não se deve investir no momento. Nesse cenário, ele pode perder uma oportunidade de efetuar investimentos vantajosos e assim prejudicar o futuro. 

O que fazer para se proteger desse fenômeno?

Para evitar esses danos, há práticas específicas que precisam ser seguidas pelos investidores. Neste tópico, você encontrará as melhores dicas para minimizar ou evitar completamente o efeito de ancoragem.

Tenha bons fundamentos ao tomar decisões

Decisões no mercado financeiro devem ter bases sólidas, com estudos aprofundados ou com riscos controlados. Nesse caso, é crucial que sua corretora ou plataforma de investimentos ofereça as melhores soluções financeiras ao cliente.

Também é relevante que ela produza relatórios setoriais, entregue carteiras recomendadas e faça cobertura de empresas. 

Todas essas vantagens são atendidas pela Ativa Investimentos, uma grande parceira para suas decisões.

Evite tomar decisões por impulso

O mercado financeiro não é um ambiente de apostas, e é fundamental pensar estrategicamente. Na prática, deve-se ter critérios específicos e objetivos para decidir onde alocar seu capital.

Ao agir por impulso, você decidirá apenas com base nos seus vieses, ou seja, sofrerá o efeito ancoragem. Nesse momento, é importante parar por um tempo e refletir sobre a necessidade da sua operação. Também é preciso considerar se ela ajudará no alcance de seus objetivos.

Desenvolva a inteligência emocional

Inteligência emocional é um nome dado à capacidade de lidar melhor com seus sentimentos. Isso significa que suas decisões não serão influenciadas por medo, preocupações, temor, entre outros. 

É possível que um viés de ancoragem seja criado por uma emoção, sendo relevante administrar melhor seus ímpetos. Há quatro pilares que o investidor deve ter em mente para desenvolver essa habilidade:

  1. autoconsciência: conhecer suas emoções e reconhecer quando ou como elas se manifestam. Em um momento de desespero, por exemplo, o investidor reconhecerá essa emoção;
  2. autogerenciamento: consiste na gestão ou regulação das emoções. Aqui a pessoa não deixa que um sentimento interfira nas suas operações;
  3. consciência social: é a capacidade de ver as coisas do ponto de vista de outra pessoa. No mercado financeiro, o investidor poderá antecipar movimentações a partir das emoções de outros players;
  4. gerenciamento de relacionamentos: envolve respostas às emoções de outras pessoas. Caso outros indivíduos tomem decisões impulsivas, é importante que o investidor não seja influenciado pelo ímpeto alheio.

Planeje pensando no futuro

Vieses de ancoragem atuam com mais força em pessoas que não têm um planejamento e objetivos bem definidos. 

Um bom plano inclui algumas medidas que devem ser tomadas pelo investidor. Com esse documento, ele não deixará que equívocos ou emoções interfiram nos investimentos. Entre os tópicos que o plano deve conter estão:

  • perfil: se o investidor tem um perfil conservador, moderado ou agressivo;
  • objetivos: são de curto, médio ou longo prazo. Alguns exemplos são adquirir um imóvel, conquistar liberdade financeira, aumentar patrimônio, entre outros;
  • investimentos: ativos que são adequados ao perfil e que ajudarão no alcance do objetivo;
  • riscos: maiores riscos dos investimentos e como eles serão minimizados ou gerenciados.

Faça questionamentos quando necessário

Excesso de confiança também pode afetar suas decisões, sendo um viés comportamental.

Muitas vezes um indivíduo tem muita convicção de uma informação ou ideia e acaba negligenciando análises mais aprofundadas.
 
Se uma pessoa teve resultados positivos, ela pode ter a concepção de que continuará fazendo movimentações certeiras. Para não subestimar riscos e cometer erros, é importante sempre fazer questionamentos antes de decidir.

Busque informações sobre os indexadores financeiros

Rendimento, preços e outros fatores sobre investimentos dependem de indexadores financeiros. 

Os indexadores são índices econômicos usados para corrigir valores monetários de diferentes ativos. Alguns dos mais usados no Brasil são taxa Selic, câmbio, CDI, IPCA, IGP-M, entre outros.

Esses elementos contribuem diretamente para um estudo mais aprofundado. Ao utilizá-los, os investidores saberão se os seus ativos realmente valorizaram ou não. No fim, será possível tomar decisões mais conscientes e embasadas.

O viés de ancoragem normalmente ocorre quando investimentos não geram resultados desejados. 

Outras situações são medo de investir e quando há turbulências no mercado, como crises econômicas. É possível identificar esse viés quando o investidor deseja tomar uma medida sem planejamento ou estudos. 

Qual é sua opinião sobre viés de ancoragem? Use o espaço abaixo para deixar um comentário sobre o assunto!

Receba conteúdos exclusivos no seu e-mail

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.